Pesquisar este blog

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Aqui

10/2/09

«O grande subministrador de educação do nosso tempo, incluindo a “cívica” e a “moral”, é o hipermercado. Somos educados para clientes. E é essa a educação básica que estamos a transmitir aos nossos filhos», José Saramago.

«¡Izquierda! Tú no eres de izquierdas. ¡Derecha! Tampoco de derechas. ¡De centro! Tú eres de centro, de centro comercial; ¡anormal!», Lehendakaris Muertos.

Aqui, as crianças tapam os olhos para agochar-se,

os adultos viram a faciana para nom ver e

nas ruas velhas da vila joga a vida coa mentira.

Aqui, os faróis tecem pó preto ao passar dos sapatos

e a luz levita sob suportais de maciça pedra

mexendo-se sobre obscuras e abstractas cabeças.

Aqui o negro inunda contentores,

aqui o lixo amoreia-se no peito dos homes.

Aqui cheira a baleiro. Aqui fede a carniça.

Aqui os corvos chiam no campanário da igreja primitiva

um gastado requiem à ignomínia dos homes

e da casa da ignoráncia sai um tufo a livro morto.

Aqui, os cérebros correm coas ratazas polos submidoiros

e as augas fecais molham-me o meu rosto,

tingido de múltiplos excrementos, alheios e próprios.

Aqui, as ideias e os pensamentos fam cola no supermercado

e as vontades tirárom-se ao monte, escapadas,

do dever que pede o tempo podre do após-modernismo.

Aqui, o azul céu do mundo próspero agocha

o preto céu do inframundo e um fedor a podrémia

percorre os nossos rios de xurro.

Aqui, no primeiro mundo só hai umha raça,

a indolente e sonámbula raça humana.

Um comentário:

SoO* disse...

Ohhh
gustoume moito esta entrada.
Será un pracer terte polo meu blogue.
Unha aperta!