Pesquisar este blog

segunda-feira, dezembro 05, 2011

Welcome to Europe

A liberdade destruída
dixo Celso sona a máquina
cheira a sabor metálico
na lingua e nas gorxas.

As feras da selva
ruxen alleas ao contrato social
furan, soplan, resoplan, recantean.
Teñen un nome aterrador.


A liberdade destruída ouvea
nas gadoupas dun gato de ollos negros,
nos seus miaños adoecidos
pola propulsión dun dedo no gatillo.


A liberdade destruída crea
potentes patentes de máquinas
desde unha natureza erma
que descoñeceu sempre o pacto social
a civilización ou a moral.
Non coñece o credo
os centros comerciais
onde van as señoras de ben.


O tempo conxélase
crea
de gatos taladros
de mofetas disolventes
de leóns coitelos
de homes escravos.

3 comentários:

O Garcia do Outeiro disse...

O final do poema é bestial, gostei muito desses versos finais que condensam e dam novo impulso a toda a composiçom.

O Garcia do Outeiro disse...

Voltei lê-lo hoje e ainda gosto mais dele que outro dia. O seguinte da Folha de excel acho que propus para revista "Revolta Irmandinha" não sei se che chegou. Parabéns

JorgeCimadeVila disse...

Já vim irmão, obrigado pola honra de me incluir na revista e parabéns por um magnífico trabalho que não sempre se ve pero q é enorme!