Pesquisar este blog

sábado, maio 09, 2009

PENÉLOPE E O SAPO VELHO

«Galiza, ilha sem mar ao leste», José Manuel Beiras.

O carmim dos olhos do paxaro
converte-se na sangue de crianças
escornadas por touros insaciáveis,
touros pretos com gravatas
que cheiram a balorento paté de pato.

E cheira a flores nos volantes
de vestidos rosas de Cinsenta
feitos por nenos de carvom
onde o sol e a fame aperta
o coraçom do paxarinho.

Os bois abrem sulcos no liviao
dumha verde ave recém nada
para que logo os semente
a caixa-fábrica de merda alienada,
a TELEVISOM vende Humanidade.

Nuvens de uránio tapam o fedor a home;
a carniça mental nom se vende nos quioscos
vem de série no melhor dos mundos possíveis
onde asnos e raposos som igualmente choscos
abraçados na cadeia de trabalho e consumo.

Viva Galicia beibe! SOS-SOS-SOS
nom hai pailebote para nós porque os filhos,
aos que lhe dérom fame, emigraçom e fumo
esquecêrom na masseira a rosa dos ventos
a estrela Polar e até a mai que os pariu!


E na esquerda cheira a velhice juvenil, asneira e convento...
um passo adiante e outro atrás Galiza
e na teia dos teus sonhos aninham sapos com o punho fechado:
sapo-conchos aferrados ao seu cativo e exíguo ferrado.
Viva GALIZA CEIVE! NÓS-SÓS-SÓS!!!

Um comentário:

Raíz Verde disse...

Mas como dizia o outro:
aqui no se rinde nadie, Caralho!