Pesquisar este blog

segunda-feira, junho 04, 2012

NOM SABERIA QUE NOMEM PONHER-LHE...

RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA,
RAIBA

MÁIS
RAIBA.
ÁGUA
COM
SAL.
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA,
RAIBA,
AND
AGAIN
AND
AGAIN.
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA
RAIBA,
RAIBA
E MÁIS
RAIBA.
ÁGUA
COM
SARAIBA:
RAIBA.

N.B.: Sempre se escrebe para alguem.

Um comentário:

Jorge CimadeVila disse...

Há quem escreve para que o leam, há quem escreve para liberar-se... Mas o problema da lírica é que subxectiva e muitas vezes há quem interpreta as cousas como as ve, mas o melhor outros interpretanas e escrevenas segundo as vem. Por isso García Lorca nom queria interpretar suas historias para ninguem e sempre contestava que sí a qualquer interpretaçom ainda que fosse contraditória com outra que constestara que si. É interessante, alguem máis listo do que eu analizariao melhor.